Buscar

Debêntures: excelente alternativa para turbinar sua carteira de Renda Fixa

Debêntures: excelente alternativa para turbinar sua carteira de Renda Fixa




Com as taxas de juros voltando a subir, os títulos de renda fixa voltam a ter destaque na prateleira das instituições financeiras, embora não seja novidade que uma boa carteira de investimentos precisa ter uma parcela nesta classe de ativos.


Acompanhe o texto que explicarei o que é uma debênture e como ela pode fazer parte da diversificação do seu portfólio.


O que são debêntures?


Debênture é um título de renda fixa, ou seja, é um investimento que sabemos qual será sua remuneração no momento da sua compra, emitido por empresas.


É um investimento de médio e longo prazo, geralmente a partir de 5 anos, logo tem uma liquidez restrita.


Eles são emitidos por uma empresa privada para que ela possa captar investimentos para seus projetos, sem precisar recorrer a empréstimos.


A empresa lança os títulos, capta recursos e depois paga o “empréstimo” aos investidores com juros, que são os rendimentos.


As debêntures são emitidas diretamente pelas empresas, então são elas que definem o prazo, os rendimentos, a condição de pagamento e suas condições gerais. Mas para fazer o investimento, você precisa da intermediação de uma corretora de investimentos.


A debênture funciona como grande parte dos investimentos de renda fixa. Quando você compra uma, você adquire parte do direito de dívida da empresa em questão. E essa dívida será paga com juros e em um prazo determinado no ato da compra.


Diferenças entre debênture e uma ação

As pessoas podem confundir com ações, já que a debênture é emitida por uma empresa privada, mas pouco tem incomum.


As ações são de renda variável que oscilam conforme as mudanças do mercado.


Já a debênture é de renda fixa e independente da condição da empresa, não sofre oscilação.


Investir em debênture


Ao fazer esse investimento, o investidor se torna credor da empresa, pois comprou um título de dívida o que quer dizer que ele tem um valor a receber no ato do resgate.


Tem alguns pontos, como o tipo de debênture, o rendimento, prazo para resgate e de qual empresa você está comprando a dívida, que precisam ser observados ao optar por esse investimento.


Ao investir devemos ficar atentos ao rendimento, existem alguns tipos como, pré-fixado, pós-fixado e híbrido, que iremos discriminar ao longo do texto cada um deles. Também é importante observar o prazo mínimo para resgate, essas características devem estar alinhadas com o seu objetivo de vida, para não causar um desconforto ou até mesmo alguma perda financeira caso seja necessário fazer um resgate e não está dentro do período de vencimento.


Outro fator é conhecer a empresa que se está investindo. Saber o histórico da empresa, qual seu momento atual, conhecer seus números e indicadores, dão uma boa visão do risco do investimento. Apesar da debênture ser um investimento de renda fixa e ter um risco menor, é preciso ter cautela ao investir na empresa que está vendendo a dívida.


Tipos de debêntures


Existem diferentes tipos de debêntures e com características diversas. Conhecê-las é importante para poder adequar aos seus objetivos.


Debêntures conversíveis - após determinado prazo ou no vencimento do título, a debênture pode ser convertida em ações da empresa.


Debênture não conversível ou simples - ela não pode ser convertida em ações, então no prazo do seu vencimento, o investidor recebe o valor pago mais o rendimento do período de validade.


Debêntures permutáveis - no vencimento do título, o investidor pode escolher como irá receber: em ações ou ativos da empresa ao invés do valor aplicado mais juros.


Debêntures incentivadas - São as mais comuns no mercado, pois elas são isentas de IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) e do IR (Imposto de Renda), porque o dinheiro captado pelas empresas é usado em obras de infraestrutura e por esse motivo ganham incentivos fiscais que são repassados ao investidor.


Debênture comum - São como a anterior, porém ela sofre a retenção do IR (Imposto de Renda) de forma regressiva, vai diminuindo de acordo com o tempo de aplicação. Quanto mais tempo, menos incide o IR (Imposto de Renda).


Tipos de rendimento


Agora que você já conhece as modalidades, é importante saber sobre os rendimentos.


Pré-fixados - Os valores dos juros são definidos no ato da compra, por exemplo, 5% ao ano. É um modelo que pode trazer segurança para o investidor iniciante, porque diz qual será seu ganho nesse investimento.


Pós-fixado - A taxa de juros também é conhecida no ato da compra, mas não há como estabelecer o quanto irá pagar exatamente, pois ele acompanha algum indicador da economia, como a taxa SELIC (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) ou o CDI (Certificado de Depósito Interbancário), então ele pode pagar por exemplo, 120% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) ao ano.


Híbridos - Nessa modalidade, ele combina um valor fixo com um que varia de acordo com um indicador pré-estabelecido.

O título pode pagar 10% + IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).



As debêntures podem ser uma forma de diversificar sua carteira com segurança, além dos títulos comuns como CDI (Certificado de Depósito Interbancário) e Tesouro Direto.












16 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo