Buscar

Carta Semanal: crise interna continua

Atualizado: 16 de set. de 2021



Fort Capital

Na carta de hoje, trazemos os principais assuntos noticiados essa semana, como: o IPCA-15 e como a inflação afeta o custo de vida, o novo aumento do valor do combustível, e a crise Hídrica que continua a ser um fator de relevância para nossa economia e política interna, além da opinião do nosso especialista Paulo Monfort.

Se quiser ficar bem esclarecido sobre cada assunto destacado, pode descer a tela que terá todas as informações que você precisa.

Boa leitura!



IPCA-15 - O custo de vida continua subindo


O IPCA-15 é o Índice de Preço ao Consumidor Amplo, divulgado pelo IBGE, ele foi criado para verificar a variação de 9 grupos de preços de bens e serviços de 11 capitais metropolitanas do Brasil, abrangendo famílias com rendimento mensal de 1 a 40 salários mínimos.


Esse índice é importante, pois é através dele que sabemos como está o custo de vida para população brasileira.


Nesta quarta-feira, 25, tivemos a divulgação do IPCA-15 e com ela a confirmação do que o bolso já vem sentindo, o aumento do custo de vida.


O índice apresentou alta de 0,89%, acumulando a variação de 9,30% em 12 meses, a maior variação desde 2002, segundo o IBGE.


Os itens que mais influenciaram a alta foram: habitação, energia elétrica, gás de botijão, transporte, combustível, alimentos e bebidas.


A inflação segue bastante pressionada, principalmente pela escassez de chuvas, as temperaturas tendo grande variação, que geram alta no preço da energia elétrica e na alimentação. O preço do combustível sendo afetado pela cotação em alta do dólar, também impactam de forma desfavorável no poder de compra de grande parte da população.


Relatório de Inflação

Fonte: Site Valor Econômico





O que aconteceu com o preço do combustível:


O preço do combustível vem assustando os brasileiros e afetando diversos setores, seja da indústria, dos trabalhadores informais, como os motoristas de aplicativos, dos taxistas ou das famílias e restaurantes.


O valor do barril de petróleo é atrelado ao preço do câmbio. Logo seu valor comercial é afetado pela alta do dólar. A desvalorização real ante o dólar é o maior motor desse aumento de preço do combustível no Brasil.


A desvalorização da moeda brasileira é afetada principalmente pela incerteza dos investidores em relação a nossa política econômica. O câmbio reflete tudo isso. A cada aumento do dólar, o valor do real reduz.



A alta do preço do combustível impacta negativamente uma profissão que sustenta muitas famílias nesse longo período pandêmico, os motoristas de aplicativos. Com a gasolina alcançando valores tão altos, esses profissionais perdem grande parte do da sua margem de lucro e consequentemente seus rendimentos.




Preço da gasolina em alguns estados

Fonte: Globo News





A conta de luz subirá mais uma vez


A crise hídrica que estamos enfrentando continua a ser um fator relevante.


Ontem, tivemos as falas do Ministro da Economia, Paulo Guedes, que afirmou ser necessário um novo aumento na bandeira tarifária vermelha, nível 2 e o pedido do presidente Jair Bolsonaro, para que a população comece a economizar energia.


A alta no preço da energia elétrica, tem pesado bastante no orçamento das famílias e é um dos itens que mais pressiona a inflação diretamente, logo depois vem o combustível.


Temos que lembrar que qualquer produto que consumimos industrializado, seja ele um bolo ou a água de garrafa que bebemos, passa por uma fábrica que consumiu energia, que faz parte do custo do produto. Ou seja, o consumidor final também é afetado dessa forma com o aumento da energia.


Comparação do aumento do IPCA-15 com o aumento do preço da energia elétrica

Fonte: G1


O aumento expressivo da conta de luz é causado pela estiagem da chuva, que é a pior em 90 anos. Os reservatórios do Sudeste e Centro-oeste, já estão com 23% da capacidade de armazenamento.


A primeira ação do governo foi ativar as usinas termelétricas, aumentar a importação de energia da Argentina e Uruguai, mas essas ações aumentam o curso da energia e esse valor é repassado para os consumidores, através da bandeira tarifária.



Na próxima terça-feira, dia 31, a ANEEL deve anunciar se haverá um novo aumento da bandeira tarifária 2. A previsão de especialistas é de que o reajuste seja de R$11 até R$15, por cada kWh consumido, o que corresponde a um reajuste de 20% ou mais de 50%, respectivamente.






19 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo